MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Operations Management Suite (OMS) agora é Azure Monitoring

Já a algum tempo que o OMS é uma ferramenta que sempre abordo em clientes e eventos.

É um produto muito bom, com analises ricas e que evoluiu bastante neste ultimo ano, chegando a ser o produto que muitos acham que substituirá no futuro o System Center.

O que mudou na interface?

A interface anterior era mais simples e em um portal a parte como está no post abaixo:

http://www.marcelosincic.com.br/post/Adquirindo-e-Licenciamento-o-Azure-OMS-Operation-Management-Suite.aspx

Agora a interface é integrada no painel do Azure, permite criar novos dashboards facilmente. Alem disso é possivel acessar individualmente cada um dos monitores.

image

image

Com essa integração na interface do Azure ficou muito mais fácil e funcional.

E como ficou o licenciamento?

No post onde já havia abordado o OMS falamos sobre a aquisição que era complexa pois cada modulo fazia parte de um bundle, e cada bundle se soluções era pago separado. Havia a opção de comprar por nó ou por upload de log, mas havia limitação de soluções e modulos no modelo de pagamento por upload.

Agora ficou muito mais fácil, só existe um modo de cobrança que é por upload de dados.

Ou seja, agora você pode pagar pelo tamanho dos logs que envia, o que é bem mais prático e simples!

https://azure.microsoft.com/pt-br/blog/introducing-a-new-way-to-purchase-azure-monitoring-services/

image

Se não utiliza o Log Insights por não entender como pagar, agora ficou simples e bem mais barato!

Microsoft ATA–Recuperação e Migração

Já falamos anteriormente sobre o Microsoft ATA (Advanced Threat Analytics) em http://www.marcelosincic.com.br/post/Microsoft-Advanced-Thread-Analytics-(ATA).aspx

Agora houve uma grande atualização com a versão 9 que tornou o ATA mais leve em demanda de recursos e visualização dos reports.

Porem, durante a migração é possivel que ocorram perdas de conexão ao MongoDB e ser necessário fazer o backup e restore.

O mesmo processo talvez seja necessário quando se troca de servidor ATA.

Importante: Os dados do Security Log do Windows é enviado ao Machine Learning para gerar os incidentes e alertas, mas ficam hospedados localmente. Portanto se perder o servidor não terá mais os reports e incidentes já registrados.

Realizando o Backup do ATA

Para fazer o backup da configuração do ATA é utilizado a cópia do arquivo SystemProfile_yyyymmddhhmm.json que fica na pasta de instalação do ATA em um subdiretório Backup junto com as ultimas 300 cópias dos dados.

Esse arquivo SystemProfile é a base de dados do MongoDB em formato JSON, eliminando a necessidade de fazer backup a partir do Atlas ou outra ferramenta especifica para administração do MongoDB. Isso é muito bom, pois não é comum conhecermos adminsitração do MongoDB.

Para funcionar deve-se ter a cópia do certificado usado para criptografia do arquivo JSON, que é gerado durante a instalação (Self-signed).

A cópia do certificado só precisa ser feita uma vez, abra o console do MMC com o snap-in Certificados e encontre o certificado de nome Central do ATA na área de certificados Pessoas em Local Machine.

Com estes passos temos o backup das configurações do servidor que são o JSON e o certificado. Mas e os dados do ATA?

Para fazer backup do ATA é necessário como já falado conhecer as ferramentas do MongoDB e talvez você deva pensar se precisará deles uma vez já resolvidos.

Se a sua necessidade é manter os alertas e incidentes, siga a documento em https://docs.mongodb.com/manual/core/backups/ de como fazer backups da base.

Realizando o Restore do ATA

A parte de restore do ATA em um novo servidor ou configuração de uma nova versão é um pouco mais complicado que o backup que é bem simples.

Primeiro é necessário importar o certificado exportado no passo anterior na mesma árvore da qual fez no passo anterior.

Em seguida é necessário reinstalar normalmente o novo servidor ATA com o mesmo nome e IP anterior e no momento que ele pedir o certificado desativar a opção Create Self-signed” para escolher o certificado original.

Em sequencia precisamos parar o serviço Centro ATA para podermos abrir o MongoDB e importar o arquivo JSON com os seguintes comandos:

  • mongo.exe ATA
  • db.SystemProfile.remove({})
  • mongoimport.exe --db ATA --collection SystemProfile --file "<Arquivo JSON> --upsert

Observação: Primeiro comando abre a instancia, o segundo remove as configurações vazias e o terceiro importa a nova configuração.

Não é necessário recriar os Gateways pois eles são mapeados automaticamente quando se restaura as configurações.

Caso você tenha feito backup da base de dados do MongoDB siga o procedimento de restore da base antes de reiniciar o serviço do ATA.

Referencia: https://docs.microsoft.com/pt-br/advanced-threat-analytics/disaster-recovery

Posted: out 24 2018, 15:02 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

EOL do Windows e SQL 2008–Opções de Extensão

Como já é conhecido, o ciclo de vida de produtos da Microsoft para 2019 incluem o Windows e SQL 2008 RTM e R2.

image

image

Fonte: https://support.microsoft.com/pt-br/lifecycle/search 

Porque isso é importante?

Esse é um problema típico nas grandes empresas, controlar o ciclo de vida do suporte dos produtos que estão implementados.

Esse assunto não é de menos importancia, pois ter o suporte finalizado implica:

  • Novas ameaças de segurança, mesmo as que envolvem brechas de software, não são mais disponibilizadas para os sistemas expirados
  • Novos recursos em novos produtos não tem garantia de funcionamento nos produtos expirados

O primeiro item é importantissimo. Imagine que sua empresa está vulnerável a um ataque como muitos que vimos, pois apenas UM SERVIDOR em seu ambiente é expirado!!!

O que fazer se tenho produtos que expiram?

Obviamente que a melhor opção é migrar (“TO-BE”), mas sabemos que nem sempre é possivel. O que pode ajudar é usar produtos como o Service Map do Log Insights (http://www.marcelosincic.com.br/post/Azure-Log-Insigths-Service-Map.aspx).

Mas para quem não pode fazer o upgrade, uma das opções é comprar o suporte via Premier para mais 3 anos, que não é barato mas é possivel negociar através do seu time de contas Microsoft.

O custo para extender o suporte POR ANO é equivalente a 75% do software full na versão mais atual.

Porem, a Microsoft disponibilizou uma opção bem interessante que é migrar para Azure “AS-IS”!!!!

Isso mesmo, quem migrar para Azure o Windows 2008 e SQL Server 2008 não precisará se preocupar pois terão gratuitamente o suporte por 3 anos adicionais.

https://azure.microsoft.com/pt-br/blog/announcing-new-options-for-sql-server-2008-and-windows-server-2008-end-of-support/

Não precisamos nem discutir que é uma estratégia para aumentar o uso de Azure, mas muito boa financeiramente para qualquer workload que possua.

tela1

Posted: jul 23 2018, 01:56 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Adoção Assistida do Office 365 e Azure com o FastTrack

Ao convertermos novos clientes que tinham produtos on-premisse para produtos on-line sempre temos o impacto inicial da migração.

Se o cliente comprou na modalidade CSP (Cloud Solution Provider) a configuração inicial é toda realizada pelo parceiro e a migração dos dados em geral tambem já é incluida como um serviço. Afinal, é importante lembrar que no modo CSP quem detem a conta é o parceiro pois é um modelo gerenciado.

Já no modelo de Licensing Partners, seja com contrato MPSA ou Enterprise Agreement (EA) o dono da conta e do tenant é o próprio cliente. Isso quer dizer que cabe ao cliente criar a tenant, habilitar os serviços, configurar e migrar os dados.

Como fazer o kickoff do Office 365 sem “dores” e com a melhor estrutura?

A resposta obvia seria contratar um parceiro de serviços Microsoft especializado em Office 365 que fará todo o processo, mas muitas vezes não é o que será feito.

Nestes casos, é possivel acionar o FastTrack.

O que é o Microsoft FastTrack?

Em termos básicos o FastTrack é um site contento todo um repertório de ferramentas para quem já tem ou adquiriu Office 365 em contrato direto (MPSA ou EA).

https://fasttrack.microsoft.com 

Ao entrar no site poderá iniciar vendo um Dashboard do seu estado atual como abaixo:

image

Note que logo na primeira parte vemos o nome do meu tenant de testes, os dados incluindo algumas informações da empresa e o gerente do FastTrack, Engenheiro e Arquiteto. Quem são essas figuras?

Alguns clientes, principalmente na adoção possuem o beneficio de engajar um time da MS para ajudar no planejamento e execução da migração.

Isso não quer fizer que irão executar, mas sim orientar e apoiar no processo de criação do tenant, integração do AD (AADSYNC), configuração dos serviços e o processo de migração em sí.

Para saber se você é elegivel, veja “Ofertas” e “Serviços”:

image

image

O primeiro item “Ofertas” não são migrações e sim documentação gerada para compliance e arquivamento.

Já o item “Serviços” é onde poderá solicitar que a Microsoft engaje o time para executar as funções desejadas.

Note que não apenas Office 365, mas tambem Planning de deploy de Windows (neste caso é necessário ter voucher de Planning Services) e um parceiro para ajudar com Windows 10 se ainda não migrou.

Tambem temos a opção de Azure, mas ela só é disponivel para alguns paises e o cliente precisa consumir no minimo U$ 5000 mês.

Em qualquer dos casos, a Microsoft envia um email com mais informações para você e iniciará o processo conforme o tipo de solicitação.

E se já tenho o tenant e utilizo, que valor tenho no FastTrack?

Mesmo assim é interessante. Acesse o link https://myadvisor.fasttrack.microsoft.com

Esse site tem uma lista de recursos onde você poderá baixar apresentações, guias, modelos de emails e videos educativos.

A unica restrição é que todo o conteudo está em inglês  Sad smile 

De qualquer forma, ferramentas como o “Network Planner” para validar necessidade de link é importantissimo para o primeiro momento.

Tambem podemos destacar os videos e documentos onde podemos aprender mais sobre os recursos e o passo-a-passo de uma estória de sucesso!

Desenho de Cenários (Planos de Sucesso)

Uma opção bem interessante é a criação dos Planos de Sucesso que pode ser visto na primeira tela deste post.

Ao criar um plano e escolher o produto, será guiado a um checklist completo onde poderá escolher o que irá fazer e o site irá ajudar a trilhar o caminho correto.

Uma ajuda muito útil quando estamos fazendo a implementação e não queremos deixar algo passar!

image

image

E um recurso interessante é que você poderá acessar videos para ajudar na adoção do produto desejado pelos usuários finais.

image

Conclusão

Se está implantado, já tem funcionando apenas com alguns produtos ou está evoluindo o ambiente, o FastTrack irá ser uma ajuda enorme para o sucesso!

Posted: jul 17 2018, 23:01 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Azure Log Insights–Service Map

Muitos já conhecem o Log Insights que antes era chamado de Operations Management Suite.

Nesse post vou destacar um dos muitos plug-ins de solução do Log Insights (chamados de Solutions no portal) que é o Service MAP

NECESSIDADE

Migrar um Datacenter não se resume a levar servidores de um lado para outro, muitas vezes é necessário migrar ambientes por perfil de aplicações.

O objetivo nestes casos é saber quais servidores devem ser migrados juntos para não ter problemas de comunicação tanto entre a mesma aplicação como tambem entre o serviço e os clientes.

O problema muitas vezes é conseguir mapear isso, pois poucas empresas possuem um mapa de aplicaçoes onde conste os servidores e serviços utilizados em cada aplicação, principalmente aplicações Web e Bancos de Dados.

SOLUÇÃO

A Solution Service Map do Log Insights resolve este problema!

Ela mapeia todas as comunicações que são realizadas com os servidores com o agente instalado e monta um mapa completo do uso detalhando portas, nomes, serviços e permitindo drill-down para visualizar as conexões e um painel de detalhes para cada item selecionado.

Segue abaixo alguns prints que utilizo para demonstrar o recurso:

capture20180405193706451

Visualização dos serviços em um dos servidores e detalhes do servidor selecionado. Note que do lado esquerdo é possivel ver a barra de detalhes do servidor mapeado a partir de outros Solutions ativos em seu Log Insights.

capture20180405193730890

Detalhes de um dos servidores que se comunica com o host, com detalhes da comunicação e do servidor.

capture20180405193826648

Ao abrir o servidor selecionado na tela anterior posso ver os detalhes dele, incluindo agora os desktops e outros servidores que tambem utilizam o target selecionado.

capture20180405193906565

Visualizando os detalhes de comunicação entre o servidor target e o servidro com SQL Server onde podemos ver as comunicações do SQL para autenticação, já que o target é meu Domain Controller.

Grupo

Aqui podemos visualizar no conceito de grupos onde os servidores que inclui o grupo são mapeados e pode ser utilizado para criar os mapas de determinada aplicação.

Baseado no gráfico acima, consigo visualizar que o host T110 possui duas VMs principais que se comunicam com todos os clientes e entre eles constantemente.

Se for criar um plano de migração do meu ambiente já saberia que elas são as duas principais VMs que precisam ser ativadas juntas na migração.

UTILIZANDO O SERVICE MAP

Para utilizar o Service Map você obviamente deve ter uma conta Log Analytics já habilitada e incluir a Solution.

O levantamento dos dados não é realizado pelo agente normal do Log Insigths, é necessário baixar um agente especifico que pode ser encontrado no link abaixo:

https://docs.microsoft.com/en-us/azure/monitoring/monitoring-service-map-configure

Logo após instalar o agente do Service Map já será possivel visualizar os mapas e utilizar grupos.

Importante: O Service Map só mantem dados de 1 hora no máximo, portanto é um portal para visualização imediata já que não possui histórico nem relatórios analíticos.

Referencia completa: https://docs.microsoft.com/en-us/azure/monitoring/monitoring-service-map

Posted: jul 03 2018, 15:14 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 3/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Log Analytics | Azure | Azure OMS
Login
Marcelo de Moraes Sincic | All posts tagged 'virtualização de aplicações'
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Virtualização de Aplicações de Servidores com o Server App-V do VMM 2012

Neste artigo irei abordar a criação dos pacotes de aplicações virtualizadas. Este recurso é essencial para automatizar a criação de serviços como abordado no artigo anterior disponível em http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Utilizando-o-VMM-2012-para-criar-camadas-de-servicos-com-o-Windows-2012-na-nuvem-privada.aspx

Entendendo Aplicações Virtualizadas

O recurso da virtualização de aplicações nada mais é do que um processo onde é capturada toda a atividade durante a instalação de um software seja chaves de registro, arquivos, configurações e atalhos.

O diagrama abaixo nos dá uma visão de como o processo funciona e irei abordar cada parte da criação do pacote neste artigo.

image

Instalando o Server Application Virtualization Sequencer

O Server App-V faz parte do VMM 2012 e pode ser encontrado na mídia de instalação no diretório D:\SAV\amd64 com o nome de SeqSetup.exe:

image

Após executar o instalador será gerado um atalho no menu iniciar para chamar o Server Application Virtulization Sequencer, que chamamos de Server App-V ou apenas SAV, e ao executá-lo terá acesso as suas funções principais que consistem em criar ou editar pacotes:

image

Virtualizando um Aplicação

Ao escolher a opção de criar um novo pacote será conduzido por um wizard muito simples, mas que exige certos cuidados.

O primeiro passo é escolher o executável que será utilizado para instalar a aplicação:

image

Na sequencia indique o nome que será dado ao pacote e o diretório onde ele será gerado:

image

O wizard irá executar o instalador indicado, com um aviso muito importante: O diretório definido para a aplicação tem que ser o mesmo criado no passo anterior no disco Q:

image

Importante: Se escolher um diretório diferente do indicado no primeiro passo (criação do pacote) os arquivos da aplicação não estarão no pacote, comprometendo a execução.

Ao terminar a instalação da aplicação é importante que você não a execute até que termine o wizard, clicando em Finished:

image

Neste momento o SAV irá procurar as alterações em arquivos e registro que a aplicação tenha realizado, podendo ser um processo rápido (2 minutos) ou lento (até 1 hora) dependendo do que será coletado e o tamanho do disco:

image

Agora sim é o momento de executar a aplicação e fazer customizações, uma vez que o SAV já inventariou alterações feitas pelo instalador:

image

No meu exemplo, configurei o tema da aplicação e o fechei. Automaticamente o wizard detectou o fechamento da aplicação e indica que foram capturada as informações:

image

Assim, o pacote está criado e o wizard mostra a mensagem de sucesso:

image

Ao clicar em Close será aberto automaticamente o editor de pacotes, que também pode ser executado no menu inicial do SAV, para que você valide o que será instalado. Nesse passo é importante olhar com cuidado o que foi coletado para evitar conflitos entre diferentes versões de sistemas operacionais ou outros aplicativos.

Ao terminar a edição, salve o pacote. Neste caso não é só criado o pacote mas também os arquivos de projeto do SAV no diretório indicado:

image

image

Editando Pacotes

A edição de pacotes é realizada no final de um sequenciamento ou pelo menu inicial do SAV que está no tópico anterior e consiste em abrir o arquivo SPRJ criado.

Como comentado acima, é importante lembrar de verificar em detalhes o pacote e evitar que cause problemas ao ser instalado em um servidor, uma vez que o editar permite alterar, deletar e incluir novos itens:

image

Criando um Perfil de Aplicação

Para aplicar um pacote em um Service Template ou VM Template podemos criar um perfil incluindo uma ou várias aplicações. Para criar o perfil de aplicações utilize o menu corresponde em Library do VMM

Indique quais sistemas operacionais são suportados pela aplicação e inclua o pacote criado dentro de Applications:

image

image

Importante: Para a aplicação aparecer na lista acima, o diretório criado pelo sequenciador precisa ser copiado no Library do VMM 2012:

image

Incluindo uma Aplicação Virtualizada em um Template

Como já comentado a aplicação pode ser incluída em um Service Template como também comentado no artigo sobre os modelos de serviço.

Para isso clique na área Add Application do template e selecione o perfil ou mesmo a aplicação diretamente:

image

image

Pronto!!!! A aplicação está vinculada a VM que será instanciada pelo Service Template:

image

Login