MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Gerenciamento de Storage com o System Center Virtual Machine 2012

Seguindo a série de posts sobre recursos do SCVMM 2012 integrados com VMWare ESX e Xen Server agora abordaremos outro recurso que é o gerenciamento de storages. Post anteriores: Integração com live migration http://bit.ly/pf0v9M e Dynamic e Power Optimization http://bit.ly/pJ6KLf.

Com o VMM 2012 você poderá classificar storages pela performance, definir o storage a ser utilizado e criar as LUNs sem a necessidade de conhecer o software de cada fabricante. Ou seja, você poderá utilizar o conceito de virtualização de storage com as interfaces do VMM 2012.

API SMI-S

Uma nova funcionalidade que está sendo discutida com os fabricantes de storages é a criação de um protocolo de comunicação muito similar ao SNMP mas que permita detalhes das especificações de um storage, chamado de Storage Management Initiative Specification (SMI-S).

Este protocolo é um API baseada nos modelos CIM/WBEM, que muitos já conhecem por ser também a especificação básica do WMI presente nos sistemas operacionais Windows. Utilizar este procolo não é tão simples, e é necessário ter um CIMOM que nada mais é que um proxy para “traduzir” as APIs nativas do storage para o protocolo SMI-S.

Porem, os fabricantes de storages já tem estes padrões bem estabelecidos e com upgrades de firmware podem incluir o CIMOM, um deles é o OpenPegasus, no storage já existente.

SMI-S no VMM 2012

Agora entra em cena o VMM 2012 que possui a interface de comunicação SMI-S para se comunicar com os storages e obter informações, e com base nestas pode classificar os storages conforme a sua performance, como a tabela abaixo retirada do TechNet (referencia ao final do documento):

Storage

Automação de Storage no VMM 2012

Agora podemos colocar em prática esta funcionalidade por criar arrays de storage e vincular aos hosts.

Imagine que em sua empresa haja storages com disco SAS e SATA, onde a classificação automática é SILVER e BRONZE respectivamente e tanto o grupo de servidores quanto uma VM pode ter especificado não a LUN, mas sim a classificação.

VMM2012

Essa automação inclui a criação das LUNs, ou seja, não será mais necessário ter conhecimento do software do fabricante para criar as LUNs individualmente já que a API SMI-S implementa os comandos necessário para gerenciar.

Storage Groups

Figura 1 – Tela principal do gerenciador de storages

Storage Pool

Figura 2 – Pool default e criação de um novo pool

Storage Add

Figura 3 – Inclusão de um storage ao pool

Storage

Figura 4 – Vinculando um storage pool a um grupo de hosts hypervisors

Com este recurso o gerenciamento de um datacenter será mais fácil, e quando temos diversos storages independentemente do fabricante poderemos utilizá-lo de forma simples com as APIs SMI-S.

Referencia TechNet http://technet.microsoft.com/en-us/library/gg610600.aspx e http://blogs.technet.com/b/server-cloud/archive/2011/10/14/windows-server-8-standards-based-storage-management.aspx

Slides e Material das Minhas Apresentações no Microsoft TechEd 2011

Conforme prometido, seguem os ppts e material adicional que utilizei nas minhas apresentações:

Dia 29/09 as 14:00 - STO301 | Utilizando de forma eficiente seu storage para ter o melhor IOPS

Download: STO301.zip

Dia 29/09 as 15:30 - SRV303 | Gerenciando Recursos com o Windows System Resource Manager

Download: SRV303.zip

Dia 30/09 as 10:10 - VIR307 | Gerenciando ambientes Vmware atraves do System Center Virtual Machine Manager 2012

Download: VIR307.zip

Disco Externo eSATA Desaparece ou Lento Após Conectado

Um problema que já me aconteceu algumas vezes e já precisei resolver para alguns amigos é o uso do disco externo eSATA desaparecer após conectado, ou mesmo apresentar lentidão extrema ao ser inserido demorando muito para ser detectado como letra.

SINTOMA

Ao olhar o Event Viewer você provavelmente encontrará um dos eventos abaixo:

Evento 51: An error was detected on device \Device\Harddisk?\DR? during a paging operation.

Evento 9: The device, \Device\Ide\iaStor0, did not respond within the timeout period

O evento 9 é consequencia do evento 51 que indica erro ao criar paginação para o disco que foi inserido.

CAUSA

Diferente de um disco USB que tem acesso limitado a recursos, os discos eSATA entram no mesmo barramento do disco fixo da maquina, o que faz com que ele apareça como unidade de paginação, como mostra a figura abaixo.

Configurado em modo automático, o Windows tentará criar no disco removível um arquivo de paginação, o que gera o erro.

image

SOLUÇÃO

Altere o gerenciamento de memória virtual desligando o modo automático em TODOS OS DISCOS e deixe apenas no disco C: ou outro fixo desejado e o problema não ocorrerá mais.

image

Posted: ago 08 2011, 10:31 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Hardware | Windows

Recuperando um disco dinâmico, convertendo para básico a força

Ao trocar o meu HD externo pelo que já possuía no note, tive o seguinte problema: “Invalid disk” tanto no Server Management quando no DiskPart.

O disco em questão era o de boot no meu antigo notebook que estava formatado como Dynamic e com 3 partições (System, SO e Dados).

Encontrei no Fórum TechNet referencia ao mesmo problema, mas não se aplicavam ou não adiantavam no meu caso e foi quando comentaram da ferramenta HxD (http://cnet.co/qe5H4H), que eu já havia utilizado mas para editar arquivos e não para editar setores de disco.

Então ai está a solução, usando o HxD edite o disco e altere o hexa 42 (dinâmico) para 07 (básico) e o disco passa a ser enxergado com todas as partições, mas com o sintoma de aparecem algumas partições “fantasmas”.

Na figura 1 veja a abertura do disco pelo menu “Extras –> Open Disk”

HxD-1

Na figura 2 encontramos a definição dos tipos de partição, que iniciam na posição 0000001C0 em diante e note o terceiro octeto com o DWORD 42 e altere para 07.

HxD-2

Na figura 3 veja que o disco foi visto como básico, as partições voltaram, inclusive a de 200MB utilizado como System e uma “fantasma” com a letra H que não tinha dono e que segundo referencias era a partição de controle do disco dinâmico.

HxD-3

Assim, após realocar os 200 MB para o disco G:, apagar o disco H: e reformatar a partição 1 que era boot fiquei com o meu disco recuperado e estou utilizando normalmente como uma única partição sem ter perdido dados que estavam na partição 2:

image

image

Importante: Não utilize este recurso em dados sem levar em conta o risco de perder partições, principalmente levando em conta que certos recursos não são suportados (Extend, Expand, RAIDs) em discos básicos. Este recurso é interessante e essencial caso deseje recuperar dados de discos que estejam nas especificações dos discos básicos, ou seja, até 4 partições sem recursos de RAID.

Posted: ago 03 2011, 13:14 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Hardware | Windows

O que é e como calcular IOPS (Exchange, SQL, SharePoint, etc)?

Esta pergunta é frequente, principalmente porque como consultor de soluções da Dell que é um fabricante de hardware temos que saber.

O que são IOPS?

É o número de operações por segundo que um disco individual consegue chegar. Por exemplo, um disco SAS de 10K consegue em média 140 IOPS.

Esta velocidade é padrão na industria com variações entre modelos, mas podemos ter uma base do que é aceitável e o fabricante do disco poderá lhe informar este número.

Porem, note que a diferença é muito grande, principalmente levando em conta os novos discos SSD. Por exemplo, o disco X25-E da Intel (Veja o pdf com as caracteristicas em http://download.intel.com/design/flash/nand/extreme/extreme-sata-ssd-datasheet.pdf) chega a números 30 vezes maiores que os discos SAS e SATA.

image

Porque o IOPS é tão importante?

Esta pergunta é óbvia, mas a explicação pode não ser tão simples. Acontece que na maioria dos casos temos a tendencia de minimizar a questão dizendo que é “performance” ou “percepção do usuário” mas na verdade pode impactar diretamente no funcionando de um aplicativo, em alguns casos até inviabilizando.

Por exemplo, um ambiente Exchange 2003 com 2 mil caixas de correio precisa de 1,5 mil IOPS e este número não é fácil de alcançar. O SQL Server para um banco de dados do SharePoint precisa de 5 mil IOPS para funcionar.

Como calcular o IOPS?

Multiplique o total de discos pelo tipo de RAID e conseguirá o seu número. Segue alguns exemplos:

image

O RAID 1, RAID 10 ou RAID 0 irá lhe proporcional o maior numero de IOPS possivel, já o RAID 5 o calculo leva em conta 1 disco a menos e no RAID 50 2 discos a menos para as paridades.

Como conseguir o maior IOPS possivel com maior capacidade?

Temos tres formas de fazer isso:

  1. Utilize discos de alta performance, como os SAS de 15K ou o SSD, porem são caros e no caso do SSD de tamanhos de apenas 32/50/64/100GB
  2. Utilize o tipo de RAID apropriado para a performance e não visando o tamanho desejado como muitos hoje fazem, o que muitas vezes implica em utilizar RAID 10 para ter a performance total ao invés de RAID 50, perderiamos em capacidade mas ganhamos em performance
  3. Compre um storage que trabalha com as LUNs virtuais, ou seja, ele aloca os dados nos discos conforme a necessidade deste dado e não necessita dizer o tipo de RAID

O que são as LUNs virtuais?

Não vamos entrar no ponto técnico já que este é bem mais complexo, porem podemos entender o que é esta nova tecnologia sem nos tornarmos especialistas em storage.

Usando os storages da Dell como exemplo, o MD3200i trabalha com LUNs da forma normal que conhecemos. Você indica que os discos X a Y formam o RAID 0, de Z a W o RAID 5 e assim por diante. Ou seja, mapeamos diretamente os discos e ficamos dependentes da capacidade de IO individual de cada um.

Já na série EqualLogic podemos definir o tamanho da LUN sem indicar os discos e o próprio storage irá alocar automaticamente os dados mais acessados nos discos mais rápidos (!!!!!!!!!!). Você deve estar achando que é brincadeira ou algo do tipo “conceito”, mas não é!!

Os novos storages vendidos pela Dell, EMC, IBM e outros são inteligentes e permitem misturar os discos. Por exemplo, posso colocar discos SSD na gaveta do storage e mais uma gaveta adicional com 24 discos de 15K SAS e não me preocupar se a LUN que criei está nos discos mais performáticos, quem fará este trabalho é o storage.

E, o mais interessante, quando o storage “perceber” que determinado dado (LUN) é mais acessado que outro ele irá realocar para os discos mais rápidos e fazer o shift dos dados sem intervenção e queda de performance, já que trabalha em background e automático !!!!

Referencias interessantes

Como calcular IOPS para Exchange 2003 http://technet.microsoft.com/en-us/library/bb125019(EXCHG.65).aspx

Como calcular IOPS para Exchange 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/ee832791.aspx

Como calcular IOPS para o SQL do SharePoint 2010 http://technet.microsoft.com/en-us/library/cc298801.aspx

Utilitário para medir IOPS para o SQL Server (SQLIO) http://www.microsoft.com/download/en/details.aspx?displaylang=br&id=20163

Referencia do EqualLogic S6000 http://www.equallogic.com/products/default.aspx?id=9511

Posted: jul 03 2011, 13:53 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login